GPECT

Grupo de Pesquisa Estado, Capital Trabalho e as Politicas de Reordenamento Territorial

O CAPITAL E A OCUPAÇÃO DE TERRAS/TERRITÓRIOS

O livro O CAPITAL E A OCUPAÇÃO DE TERRAS/TERRITÓRIOS procura mostrar as formas destrutivas em que o sistema do capital tem se apropriado das terras/territórios com o interessede apropriar do trabalho, ou seja, da produção da riquezanecessária a sua reprodução ampliada.

O livro está dividido em três partes: I.Nos limites da afirmação/negação da reprodução ampliada do capital;II.As armadilhasdo capital na afirmação/negação dos seus limites; III.Quebrandoas armadilhas: os sujeitos do campo vão a luta.

Na Primeira Parte versam debates de: Virgínia Fontes, profa. Dra. da UFF (UniversidadeFederal de Fluminense), no texto“Capital- ImperialismoePersuasão Empresarial” e Simone Ishibashi,editora da Revista Iskra, discute A crisecapitalista desvenda a logica de funcionamento do Estado”

Na Segunda Parte: As armadilhas do capital na afirmação/negaçãodos seus limites:No primeiro momento temos os Capítulos de: Elder Andrade de Paula, Prof. Dr da UFC(Universidade Federal do Acre), que versa sobre “Natureza,sociedade e trabalho: entre disciplinamentos e resistência”fazendo uma abordagem ancorada na perspectiva da geopolíticado controle dos bens naturais e as suas repercussões nosterritórios amazônicos.Cristiano Wellington Noberto Ramalho, Prof. Dr da UFS(Universidade Federal de Sergipe), aborda sobre A particularidadesdo mundo do trabalho pesqueiro: o caso dos pescadoresartesanais de suape-pe”

No Segundo momento da parte dois, O aprisionamentodo campo: a extrema espoliação da terra e do trabalhopara a extração de super lucro,é discutido pelas professorasmestras: Raimunda Áurea Dias de Sousa- UPE/Petrolina (Universidadedo Estado de Pernambuco) –que enfoca sobre A renda fundiáriae o trabalho – a realidade da agricultura irrigada no Vale doSão Francisco.

Dayse Maria Souza no Capítulo: “Mobilidade do trabalho: a garantiada extração da mais-valia no processo de acumulação capitalista”,e Katinei Santos Costa “A subordinação e precarizaçãodo trabalho como garantia do superlucro na rede produtivada castanha de caju”

Edilson Vieira da Silva; Aline Farias Fialho;Weldon Pereira Silva de Novais; Jânio Roberto Diniz dosSantos; Suzane Tosta Souzaexplana:A construçãoda fiol em tanhaçu/ba: das políticas de (des)envolvimentodo estado e territorialização o capital à desapropriação docampesinato”

Eraldo da Silva Ramos Filho, prof. Dr. UFS (UniversidadeFederal de Sergipe), discute sobreA contrarreforma agráriano Brasil no início do século XXI

Na Terceira parte, Quebrando as armadilhas: os sujeitosdo campo vão a luta,Marleide Maria Santos Sérgio, profa. Dra.UFS (Universidade Federal de Sergipe), elucida no capitulo sobre “Osmovimentos sociais e a lógica do desenvolvimento territorial rural– relações (irre)conciliáveis”e dentro da mesma temática, Suzane Tosta Souza, profa. Dra.UESB (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia)aborda sobreos “Movimentos sociais no campo brasileiro: territórios emdisputa”

 

Com base na qualidade teórica dos artigos, ressalta-se queestes resultaram do VI Fórum e I Encontro Nacional Estado, Capital,Trabalho ocorrido em 2011, sendo assim, um dos trabalhosdesempenhados coletivamente pelo Grupo de Pesquisa Estado, Capital, Trabalho e as Políticas de Reordenamentos Territoriais/GPECT

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: