Documentários

AGROTÓXICOS

Filme/Documentário: O Mundo Segundo a Monsanto

 

 

(França, 2008, 108min. – Direção Marie-Monique Robin) Documentário que aborda a maneira como uma grande empresa consegue enganar a população mundial, através da mídia e da corrupção dos governos, inserindo seus produtos tóxicos no mercado alimentício, colocando a saúde de milhões de pessoas em risco, contaminando o meio-ambiente, provocando a migração do campo para a cidade, concentrando muito poder na mãos de poucos. Hoje mais de 90% do mercado de sementes transgênicas pertence à Monsanto. Vários produtos da empresa foram proibidos na Europa e Canadá. Depois de assisti-lo, você nunca mais comerá um transgênico da mesma forma.

 

Filme/Documentário: PONTAL DO BURITI – brincando na chuva de veneno (35’05”)

Em 3 de maio de 2013, a partir das 9 horas da manhã, uma aeronave da empresa Aerotex Aviação Agrícola Ltda., sobrevoou a Escola Municipal Rural São José do Pontal, localizada na área rural do município de Rio Verde/GO, “pulverizando”, com o veneno Engeo Pleno da Syngenta, aproximadamente 100 pessoas, entre elas crianças, adolescentes e adultos, que estava na área externa do prédio em horário de recreio. Algumas crianças e adolescentes, “encantados” com a proximidade que passava o avião, receberam elevadas “doses” de agrotóxico. Este não é um caso isolado. Esta é a realidade do agronegócio no Brasil.

Direção e Roteiro: Dagmar Talga

 

Filme/Documentário: O VENENO ESTÁ NA MESA – PARTE I (49’22”)

Sinopse: O Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública. O perigo é tanto para os trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para os cidadãos, que consumem os produtos agrícolas. Só quem lucra são as transnacionais que fabricam os agrotóxicos. A idéia do filme é mostrar à população como estamos nos alimentando mal e perigosamente, por conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio.

Direção: Sílvio Tendler

 

Filme/Documentário:O Veneno Está na Mesa II (2014)

Após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos em O Veneno está na Mesa, o diretor Sílvio Tendler apresenta no segundo filme uma nova perspectiva. O Veneno Está Na Mesa 2 atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências para a saúde pública. O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas em todo o Brasil, mostrando a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores. Com este documentário, vem a certeza de que o país precisar tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: Em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou da liberdade e da diversidade agroecológica?

Realização: Caliban Cinema e Conteúdo Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida

Fiocruz

Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio

Bem Te Vi Cineclube

Crisantempo


AGRONEGÓCIO

Filme/Documentário: “Soja, Em Nome do Progre$$o” (40′)

O documentário “Soja, Em Nome do Progre$$o” mostra o impacto sócio-ambiental da expansão da produção da soja na Amazónia. A ideia para fazer o vídeo partiu da percepção de que as pessoas não fazem a ligação entre a soja e a desflorestação da Amazônia.

Sinopse: A Amazônia contem a maior biodiversidade do planeta e desempenha um papel fundamental na manutenção do ciclo das chuvas e do equilíbrio climático. O Greenpeace convida-o para assistir ao documentário “Soja; Em Nome do Progresso” [40 minutos | Português] e refletir um pouco mais sobre a realidade da Amazônia. O documentário mostra os impactos sócio-ambientais que a expansão da fronteira da soja está a causar na região de Santarém, no Estado do Pará, no Brasil.

Direção: Tood Southgate

 

Filme/Documentário: Migrantes (2007) – (46’15”)

Direção: Beto Novaes, Francisco Alves e Cleisson Vidal.
Duração: 45 min
Sinopse: “Migrantes” é um documentário que retrata as condições de trabalho e vida dos trabalhadores do Nordeste nos canaviais das modernas usinas paulistas e os motivos que os levam a migrarem de suas terras para submeterem-se a um trabalho árduo, penoso, arriscado no corte da cana. Nos canaviais eles ficam sujeitos a uma nova disciplina e submetidos a um ritmo de trabalho que os colocam no limite de suas capacidades físicas: são obrigados a cortarem, no mínimo, 10 toneladas de cana/dia para permanecerem empregados. A produtividade aumentou, as dificuldades no trabalho também, os ganhos continuam insuficientes. Mesmo assim estes trabalhadores, super-homens da produção, migram por necessidade. A realidade destes trabalhadores do agronegócio da cana é desafiadora para a sociedade e autoridades brasileiras. Como reverter esta situação? Este é o maior desafio que o vídeo documentário coloca em cena.


REVOLUÇÃO RUSSA

Bandeira Vermelha

Documentário “Bandeira Vermelha”, da excelente série anglo-americana de documentários “People’s Century”. O propósito deste episódio é mostrar como se deu o processo revolucionário que conduziu os bolcheviques ao poder na Rússia, no ano de 1917, e quais foram os rumos tomados pela Revolução Russa até a morte de Stálin. Em inglês, mas com legendas em português. Duração: 50 minutos.

Dez Dias que Mudaram o Mundo

Vídeo de 41′:54″, sobre a Revolução Russa. Produzido pelo Partido Operário Socialista Espanhol (POSI) e com legendas e áudio em português. Com imagens originais, mostra o período que antecede a Revolução Russa de 1917.

Eles se Atreveram – A Revolução Russa de 1917

Documentário realizado por Contraimagem em colaboração com o Instituto do Pensamento Socialista Karl Marx, dedicado aos 90 anos da Revolução Russa de 1917. “Eles se atreveram” narra a história da maior revolução de todos os tempos, que despertou as esperanças dos oprimidos do mundo inteiro e abriu o caminho às revoluções do século XX. Produzido pelo IPS (Instituto do Pensamento Socialista Karl Marx), o filme assume o desafio de combater as falsificações stalinistas e burguesas sobre a grande Revolução Russa. “Eles se atreveram” relata os feitos revolucionários tomando seu nome das célebres palavras de Rosa Luxemburgo em defesa da Revolução Russa: “Não se trata desta ou daquela questão secundária sobre táticas, mas da capacidade de ação do proletariado, sua força para atuar, da vontade de poder do socialismo como tal. Neste sentido, Lênin, Trotsky e seus companheiros foram os primeiros a dar o exemplo ao proletariado mundial. São ainda os únicos que até agora podem gritar: ‘eu me atrevi!’.”

O relato deste documentário foi feito a partir da adaptação de textos revolucionários de Leon Trotsky, Lênin, Rosa Luxemburgo, poesias do genial Maiakovski e outros autores. A base fundamental do roteiro foi “A História da Revolução Russa” de Leon Trotsky, um livro “cinematográfico”, como já foi dito diversas vezes. De Lênin, Rosa Luxemburgo e novamente de Trotsky foram utilizadas várias declarações da época, seus balanços sobre 1905. Outros relatos também foram fundamentais, entre os mais importantes: “Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo” de John Reed e “A História do Partido Bolchevique” de Pierre Broué.

O documentário foi construído com base em uma cuidadosa seleção material de arquivos, documentos e fragmentos do cinema soviético. As imagens documentais foram utilizadas respeitando seu lugar e seu momento histórico. Neste sentido, podemos ver imagens do documentário de Esther Shub, “A Queda da Dinastia Romanov” e centenas de imagens jamais recompiladas em um único filme — a vida do Czar, as jornadas de julho, a revolução de fevereiro a outubro, a guerra civil, etc. Há também cenas de “Entusiasmo” (1930) de Dziga Vertov; “A Greve” (1924), “O Encouraçado Potemkin” (1925) e “Outubro” (1927) de Sergei Eisenstein; “Arsenal” (1928), de Alexander Dovzhenko; “Mãe” (1926) e “O Fim de São Petersburgo” (1927) de Vsevolod Pudovkin, entre outros filmes. A montagem final é complementada com animações russas e soviéticas da época, algumas muito originais. A trilha sonora inclui uma seleção de músicas elaboradas especialmente, muitas das quais de autoria do compositor soviético Dimitri Shostakovich junto com outra seleção de cantos revolucionários russos e populares, interpretados em grande parte pelo Coral do Exército Vermelho.

A participação especial das vozes de Eduardo “Tato” Pavlovsky e Silvia Helena Legaspi transmite no presente a paixão daqueles acontecimentos históricos que abalaram todo o mundo. “Eles se Atreveram” não foge das perguntas sobre o fracasso da URSS, em seus minutos finais busca dar respostas a fim de compreender o caminho da experiência progressista e revolucionária dos primeiros anos da Revolução de Outubro até a instauração de um Estado operário degenerado, burocrático e de coexistência pacífica com os países capitalistas – sob a direção de Stálin, que precisou eliminar quase toda a velha guarda bolchevique para impor sua política revisionista e capituladora de “socialismo em um só país”, descaradamente plagiada do social-democrata bávaro Georg Von Vollmar, pioneiro do reformismo e antecessor de Eduard Bernstein. O documentário busca contribuir com a tarefa de transmitir a vigência do socialismo e as ideias revolucionárias aos jovens e trabalhadores de hoje. Ademais, reivindica a façanha da grande Revolução Russa que influenciou e abalou todo o século XX, podendo ser resumido em uma frase incisiva do próprio documentário: “Recuperar a memória revolucionária para preparar a vitória de amanhã, ou melhor, recuperar a memória revolucionária para amanhã saber vencer”.

VIOLÊNCIA NO CAMPO

Filme/Documentário: Eldorado dos Carajás – 10 anos

Documentário realizado pelo Setor de Comunicação do MST sobre o massacre de Eldorado dos Carajás, 10 anos depois da chacina, discute a impunidade, com depoimentos de sobreviventes, estudiosos. A luta dos sem-terras no Pará e as conquistas por justiça e soberania.

Direção: Pepe Pereira dos Santos.

 

Filme/Documentário: Massacre de Corumbiara

Em Rondônia, a violência da polícia e de pára-militares contra 600 famílias deixou marcas eternas em homens mulheres e crianças que viveram momentos de terror. O documentário teve direção de Georges Bourdoukan e TVT (Televisão dos Trabalhadores). 1995.

Filme/Documentário: CABRA MARCADO PARA MORRER

Filme documentário, Cabra Marcado para Morrer foi dirigido por Eduardo Coutinho inicialmente em fevereiro1964, sendo obrigado a interromper as filmagens devido ao golpe militar de 31 de março, quando as forças militares cercam a locação no engenho da Galiléia. Dezessete anos depois em 1984 retoma o projeto, seu lançamento foi no ano seguinte em 1985. Conta história das Ligas Camponesas de Galiléia e de Sapé além da vida de João Pedro Teixeira que era um líder camponês da Paraíba assassinado a mando de latifundiários de Pernambuco em 1962. Através de depoimento da viúva Elizabeth Teixeira, de seus filhos e de camponeses que presenciaram a história, coletou informações para o documentário. O tema principal do filme passa a ser a trajetória de cada um dos personagens que, por meio de lembranças e imagens do passado, evocam o drama de uma família de camponeses durante os longos anos do regime militar.

TÍTULO DO FILME: CABRA MARCADO PARA MORRER (Brasil, 1984)

DIREÇÃO: Eduardo Coutinho

ELENCO: Elisabeth Teixeira e família, João Virgínio da Silva e os habitantes de Galiléia (Pernambuco).

Narração de Ferreira Gullar, Tite Lemos e Eduardo Coutinho. 120 min., Globo Vídeo.

Gênero: Documentário

Ano de Lançamento: 1985

País de Origem: Brasil

 

Filme/Documentário: Contestado: Uma Guerra Esquecida

Foram quatro anos de conflito, dez mil mortos, milhares de homens do Exército convocados. Os combates que se estenderam por uma região de mais de vinte mil quilômetros quadrados, no planalto serrano de Santa Catarina. A Guerra do Contestado — 1912 a 1916 — envolveu caboclos, pequenos fazendeiros, posseiros, interesses econômicos, disputas de poder e religiosidade. Hoje, a população local ainda enfrenta um dia-a-dia de pobreza, em um cenário que contrasta com uma das regiões mais prósperas do país. O Caminhos da Reportagem resgata essa história e investiga os motivos da guerra, a dimensão que teve e o porquê de ter ficado esquecida por tantas décadas.

Reportagem: Fernanda Balsalobre

Imagens: Gilvan Alves

Auxiliar: Lion Arthur

Produção Executiva: Vivian Carneiro

Produção: Luciana Góes, Carolina Pessôa

Edição de imagens, de som e Finalização: Fabio Melo

Direção e Edição: Isabelle Gomes

 

Filme/Documentário: Canudos

A história e a luta de Antonio Conselheiro e a gente de Canudos no final do século XIX. Um levantamento de Ipojuca Pontes e narração de Walmor Chagascom depoimentos de testemunhas oculares, que representou o Brasil no Festival de Cannes (França) e San Sebastian na Espanha. 1978.